Olhar Jurídico

Sábado, 14 de dezembro de 2019

Notícias / Criminal

Delator da Lava Jato pede que jornalista da Época explique à Justiça "parceria" com Riva em pedras preciosas

Da Redação - Carlos Gustavo Dorileo

06 Nov 2019 - 14:51

Foto: Assessoria/AL

Delator da Lava Jato pede que jornalista da Época explique à Justiça
Acusado pela Revista Época, do Grupo Globo, de estar ‘trabalhando’ em parceria com o ex-deputado estadual José Riva no ramo de pedras preciosas, o doleiro Lúcio Funaro, um dos investigados e principais delatores da Operação Lava Jato, protocolizou no Juizado Especial Criminal do Rio de Janeiro (RJ) uma interpelação criminal com pedido de explicações ao colunista Guilherme Amado.

Leia também
Com arrecadação menor que a esperada em leilão do pré-sal, MT terá direito somente a R$ 322 mi


O requerimento feito pelo advogado João Francisco Neto solicita que o jornalista explique sobre o que escreveu em sua coluna e também diz que a nota publicada pelo no início do mês de novembro configura a prática de injúria e difamação.

No último dia 3 de novembro, o colunista da revista publicou que Funaro voltou a ‘trabalhar’, em companhia do ex-presidente da Assembleia Legislativa de Mato Grosso, José Riva, quem ele classificou como ‘o maior ficha suja do país’.

Pra Funaro, que atualmente cumpre o regime semiaberto, após longo período de cárcere, a publicação induz ao leitor que ele teria voltado a cometer crimes, o que pode trazer a ele novos problemas com a justiça.

O doleiro ainda deixa claro que nunca foi parceiro do ex-deputado estadual José Riva e que jamais investiu em pedras preciosas, como foi abordado na publicação.

“Fica o jornalista Guilherme Amado ciente que suas adjetivações impróprias e escorregadias ofenderam a honorabilidade alheia, devendo explicar-se em Juízo, alvitrando-se, por oportuno, a devida retratação em seu respectivo blog, sob pena de responder criminalmente pelas ofensas, na forma da Lei Penal pátria, que pune comportamento insultuoso, tal como o ora identificado”, diz o trecho da representação.

No mês de setembro, Funaro esteve em Mato Grosso para depor à Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) que apura irregularidades em incentivos fiscais no Estado, além de sonegação.

Na ocasião, os parlamentares proibiram a imprensa de acompanhar o depoimento, que foi realizado, por algum motivo, de portas fechadas.

1 comentário

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Olhar Jurídico. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Olhar Jurídico poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

  • Marcos Justos
    06 Nov 2019 às 20:59

    Mais uma vez o rabo querendo balançar o Cachorro. Inversão de Valores! Esses Bandidos de Colarinho Branco sempre querendo Inverter a situação, querendo ser os Santos.

Sitevip Internet