Olhar Jurídico

Quinta-feira, 02 de abril de 2020

Notícias / Criminal

Justiça mantém extradição e processo da Arca de Noé contra Arcanjo

Da Redação - Arthur Santos da Silva

21 Fev 2020 - 14:34

Foto: Rogério Florentino Pereira/Olhar Direto

Justiça mantém extradição e processo da Arca de Noé contra Arcanjo
A juíza Ana Cristina Mendes, da Sétima Vara criminal de Cuiabá, manteve decisão que estendeu extradição do ex-bicheiro João Arcanjo Ribeiro em processo por peculato, associação e lavagem de dinheiro, caso proveniente da Operação Arca de Noé. A decisão é do dia 14 de fevereiro e foi publicada no Diário de Justiça desta sexta-feira (21).

Leia também 
Advogados de Sérgio Ricardo descartam delação: 'a informação é covarde e leviana'


Processos de Arcanjo que julgam participação em desvios na Assembleia Legislativa estavam suspensos, aguardando extensão da extradição do acusado pelas autoridades Uruguaias. O suposto criminoso foi detido no país vizinho em 2006.
 
Pelos tratados internacionais, Arcanjo não poderia responder pelos seus crimes caso os processos não fossem autorizados na extradição. A extensão da extradição foi concluída no final de 2018. Porém, a defesa ainda recorre contra a decisão.
 
Os advogados sustentaram que houve a violação de direito fundamental ao ser deferido a extensão da extradição do acusado sem ter sido oportunizado vista, “desrespeitando o princípio do contraditório e da ampla defesa”.
 
Ana Cristina foi clara em sua decisão. “Verifico que os argumentos trazidos nas razões recursais pela defesa, não traz o condão de modificar o entendimento deste Juízo, conforme já decidido”.
 
O caso

A Operação Arca de Noé investigou vários crimes na Assembleia Legislativa de Mato Grosso (ALMT) que teriam sido liderados politicamente pelos ex-deputados José Geraldo Riva e Humberto Bosaipo.
 
O dinheiro desviado da Casa de Leis por meio de empresas de fachada era posteriormente lavado nas factorings de João Arcanjo Ribeiro.

0 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Olhar Jurídico. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Olhar Jurídico poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

Sitevip Internet