Olhar Jurídico

Domingo, 05 de julho de 2020

Notícias / Criminal

MP cita risco de fuga, mas juíza mantém substituição de fiança no valor de R$ 12 milhões

Da Redação - Arthur Santos da Silva

01 Jun 2020 - 14:29

Foto: Rogério Florentino/Olhar Direto

MP cita risco de fuga, mas juíza mantém substituição de fiança no valor de R$ 12 milhões
A juíza Ana Cristina Mendes, da Sétima Vara Criminal de Cuiabá, manteve decisão que substituiu por imóvel uma fiança de R$ 12 milhões paga pelo empresário Valdir Piran. Decisão, do dia 25 de maio, nega recurso do Ministério Público de Mato Grosso (MPE).

Leia também 
Ministro submete diretamente ao Plenário ação contra normas que taxam exportação de carne

 
Em outubro de 2019 o réu foi autorizado a “trocar” o dinheiro depositado em conta judicial por um imóvel localizado na Avenida do CPA, em Cuiabá, atualmente ocupado pelo Supermercado  Comper. Passaportes também foram devolvidos. 
 
O MPE recorreu afirmando que os fatos apurados são extremamente graves, uma vez que se tratam de crimes cometidos contra a Administração Pública, inclusive em conluio com agentes público e particulares.
 
Acusação disse ainda que o empresário possui dupla nacionalidade (Brasileira e Italiana), apresentando risco de fuga. Por fim, lembrou a Operação Quadro Negro, que levou Piran novamente à prisão por suposta participação em esquema de desvio de dinheiro público no antigo Centro de Processamento de Dados do Estado (Cepromat), atual Empresa Mato-grossense de Tecnologia da Informação (MTI), com prejuízo estimado em R$ 10 milhões.
 
Ao negar recurso do MPE, Ana Cristina esclareceu que a decisão inicial deve ser mantida pelos seus “próprios fundamentos”. O recurso agora será examinado pelo Tribunal de Justiça de Mato Grosso.

O caso
 
Decisão foi estabelecida em ação proveniente da Operação Sodoma, em que a Justiça examina crimes cometidos na desapropriação de área urbana.

O ex-governador Silval da Cunha Barbosa confessou ter participado do esquema que culminou no pagamento de R$ 31,7 milhões para a desapropriação de um terreno no Bairro Jardim Liberdade, em Cuiabá.
 
Metade do valor (R$ 15,8 milhões) teria retornado como propina. Piran foi, segundo o Ministério Público, um dos beneficiados.

1 comentário

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Olhar Jurídico. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Olhar Jurídico poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

  • Critico
    01 Jun 2020 às 16:58

    Vetado por conter expressões ofensivas e/ou impróprias, denúncias sem provas e/ou de cunho pessoal ou por atingir a imagem de terceiros. Queira por favor refazer seu comentário e reenviá-lo.

Sitevip Internet