Olhar Jurídico

Segunda-feira, 25 de janeiro de 2021

Notícias / Civil

MPF garante na Justiça propriedade da área do aeroporto de Barra do Garças à União Federal

Da Redação - Arthur Santos da Silva

25 Nov 2020 - 15:18

Foto: Rogério Florentino Pereira/Olhar Direto

MPF garante na Justiça propriedade da área do aeroporto de Barra do Garças à União Federal
O Ministério Público Federal (MPF) em Barra do Garças, garantiu, por meio da Justiça Federal, o reconhecimento de propriedade à União Federal, da área onde está instalado o aeroporto do município. A aquisição ocorreu mediante o reconhecimento judicial de pedido de usucapião feito pela União para solucionar problema dominial que já perdurava muitos anos.

Leia também 
STF nega recurso de membro de quadrilha preso com 1,5 tonelada de maconha


Já haviam sido realizadas outras negociações extrajudiciais com a participação da Advocacia-Geral da União, Procuradoria-Geral do Município de Barra do Garças, Secretaria do Patrimônio da União e proprietários formais da área. Dessas negociações, foi firmado Termo de Ajustamento de Conduta (TAC) celebrado com o então proprietário do imóvel, que estava sendo vendido, e o respectivo comprador, os quais se comprometeram a aquiescer ao pedido da União a ser feito em ação de usucapião proposta perante o juízo federal de Barra do Garças.

A União implantou o Aeroporto de Barra do Garças, denominado Aeroporto Governador Júlio Campos, há mais de 30 (trinta) anos. Em 1986, o município transferiu a propriedade de área de terras matriculada sob o n.º 28.922 do RGI da Comarca de Barra do Garças, com 250,5808 hectares, como sendo da área de terras onde se encontra instalado o aeroporto. Posteriormente, a Superintendência de Patrimônio da União (SPU) no Estado de Mato Grosso constatou que a matrícula n.º 28.922 não corresponde à área de terras onde se encontra construído o aeroporto, que se encontra instalado na área de terras matriculada sob n.º 75.228, de propriedade de particulares denominada Fazenda Voadeira. Porém, a União é possuidora da área há mais de 30 anos, e além das construções e benfeitorias próprias do aeroporto, tais como pista de pouso pavimentada, saguão de embarque, área de trânsito e de escape, encontra-se cercada e sendo utilizada pelo Ministério da Aeronáutica.

A Justiça Federal, na decisão, frisa que nos moldes do art. 550 do Código Civil de 1.916, três eram os requisitos necessários para a configuração da usucapião extraordinária de bem imóvel, sendo eles “posse ad usucapionem, classificada como aquela exercida com ânimo de dono e capaz de deferir ao seu titular a prescrição aquisitiva da coisa, gerando o seu domínio, inexistência de oposição ou resistência, isto é, posse mansa e pacífica, sendo
dispensável a comprovação do justo título e a boa-fé, e lapso temporal de 20 (vinte) anos“.

Nesse sentido, além do direito postulado pela União não ter sido impugnado pelos requeridos ante o TAC firmado, o Aeroporto Governador Júlio Campos trata-se de obra pública, sendo fato público e notório sua utilização há décadas pela população de Barra do Garças e demais municípios próximos, sendo incontestável sua utilidade.

Dessa forma, a Justiça Federal julgou procedente o pedido para declarar o domínio da União na área onde está localizado o aeroporto. O reconhecimento da propriedade da União viabilizará a realização de investimentos por parte da Secretaria Nacional de Aviação Civil, que destinará valor superior a 37 milhões reais para obras de ampliação e revitalização do aeroporto.

Comentários no Facebook

Sitevip Internet