Olhar Jurídico

Sexta-feira, 24 de maio de 2024

Notícias | Constitucional

INCONSTITUCIONAL

Defensoria Pública é contra projeto de lei que criminaliza aborto legal em MT

Foto: Assessoria

Defensoria Pública é contra projeto de lei que criminaliza aborto legal em MT
A Defensoria Pública de Mato Grosso divulgou nota técnica contra projeto de Lei de autoria do deputado estadual Gilberto Cattani (PL), que cria o “programa de proteção do direito à vida da criança, desde a sua concepção (período de nascituro), até seu nascimento”, criminalizando todos os casos de aborto, até mesmo os previstos em lei.


Leia mais
Cattani compara mulheres com vacas durante instalação de frente parlamentar contra o aborto


O projeto foi aprovado em primeira votação na Assembleia Legislativa de Mato Grosso (ALMT) no dia 1º de junho e, nesta quarta-feira (14), a Defensoria emitiu posicionamento sobre a inconstitucionalidade do PL nº 711/2023.

Com parecer favorável da Comissão de Constituição e Justiça da ALMT, o PL ainda estabelece que o sigilo profissional, assegurando ao médico e seu paciente, não se aplica nas situações de aborto criminalizadas pela lei, por se tratar de ilícitos penais. 

Aprovado por unanimidade pelos deputados estaduais, em primeira votação, o projeto ainda determina a comunicação de tentativa ou consumação de qualquer tipo de aborto (mesmo os previstos em lei) à polícia, Ministério Público Estadual e ao Conselho Tutelar.

A nota é assinada pela defensora pública-geral, Luziane Castro, e pela defensora Rosana Leite, coordenadora do Núcleo de Promoção e Defesa dos Direitos das Mulheres (Nudem). Conforme Luziane, a lei é “flagrantemente” inconstitucional.

A defensoria citou na nota que, desde 1940, o Código Penal assegura o aborto legal nos casos de gravidez resultante de estupro e também quando há risco de morte à gestante (art. 128). Além disso, em 2012, o Supremo Tribunal Federal (STF) decidiu que grávidas de fetos sem cérebro (anencéfalos) podem optar por interromper a gestação com assistência médica.

A defensora geral assegurou que a atuação da Defensoria será para proteger as pessoas mais vulneráveis, neste caso as mulheres, até as menores de idade, que são fragilizadas nessas situações em que a lei permite o aborto. Segundo Luziane, o combate é para que elas não passem por nova vitimização nessa situação de abordo.

Ainda de acordo com o documento, o projeto de lei vai de encontro não apenas à Constituição, mas também convenções e tratados internacionais de direitos humanos ratificados pelo Brasil.

A nota vai ser encaminhada ao governador Mauro Mendes e à própria Assembleia Legislativa, e a Defensoria Pública vai continuar acompanhando a atuação legislativa e governamental sobre o tema.

(Com informações da assessoria)
Entre em nossa comunidade do WhatsApp e receba notícias em tempo real, clique aqui

Assine nossa conta no YouTube, clique aqui

Comentários no Facebook

Sitevip Internet