Olhar Jurídico

Sábado, 18 de maio de 2024

Notícias | Civil

PAGAMENTO DE PROPINA

Ex-secretário cita delação mas não consegue perdão judicial em ação sobre lavagem de dinheiro e corrupção passiva

Foto: Reprodução

Ex-secretário cita delação mas não consegue perdão judicial em ação sobre lavagem de dinheiro e corrupção passiva
O juiz Jean Garcia de Freitas Bezerra, da Sétima Vara Criminal, negou conceder perdão judicial ao ex-secretário estadual de Administração, Cesar Roberto Zilio, em ação penal oriunda da Operação Arqueiro, em que ele responde por corrupção passiva e lavagem de dinheiro. Os efeitos do acordo de delação premiada firmado entre Zilio e o Ministério Público somente serão considerados ao final do processo. Decisão foi proferida no último dia 1º.


Leia também
Ministério Público envia relatórios sobre intervenção ao TCE e pede análise do órgão


A operação foi deflagrada pelo Grupo de Atuação Especial Contra o Crime Organizado (Gaeco) em abril de 2014, para investigar desvio de R$ 8 milhões na Secretaria de Trabalho e Assistência Social durante a gestão da ex-primeira-dama do Estado, Roseli Barbosa, entre 2011 e 2014. 

Foram alvos do núcleo de atuação do MPE, além de Zilio, o filho do ex-governador Silval Barbosa, Rodrigo da Cunha Barbosa, o ex-secretário de Estado Pedro Elias Domingos de Mello; o ex-chefe de gabinete de Silval, Sílvio Cezar Correa Araújo; e o empresário Alexsandro Neves Botelho, proprietário da Sal Locadora de Veículos. 

Investigação apura pagamento de propina de R$ 50 mil e R$ 70 mil mensais para que o então secretário garantisse o pagamento em dia dos contratos que o estado mantinha com Sal Locadora de Veículos. Nas defesas prévias, o empresário Alexandre Botelho apontava ausência de individualização das condutas e provas, enquanto César Zílio pedia a concessão do perdão judicial.
 
Examinando o caso, o juiz Jean Garcia de Freitas anotou que o pedido do empresário não perece concessão uma vez que há nos autos farto material probatório, cujas individualizações da conduta de cada alvo foram expostas, afastando, assim, a alegada em ausência de justa causa ou individualização de autoria.
 
Sobre o perdão judicial, o magistrado destacou que no acordo com o Ministério Público ficou pactuado que os benefícios serão concedidos a César Zílio ao final do processo “não subsistindo razão para se conceder a benesse de plano, que poderia prejudicar a instrução processual quanto aos demais réus”. 
 
“Com essas considerações, REJEITO as preliminares arguidas. Por consequência, ante a não verificação quaisquer causas de absolvição sumária previstas no artigo 397 do CPP, bem como em obediência ao artigo 399 do mesmo diploma legal”, sic decisão.
Entre em nossa comunidade do WhatsApp e receba notícias em tempo real, clique aqui

Assine nossa conta no YouTube, clique aqui

Comentários no Facebook

Sitevip Internet