Olhar Jurídico

Segunda-feira, 20 de maio de 2024

Notícias | Civil

PREJUÍZO AO MEIO AMBIENTE

MPF e DPU ajuízam ação pedindo a suspensão do licenciamento da Hidrelétrica Castanheira

Foto: Sinfra-MT

MPF e DPU ajuízam ação pedindo a suspensão do licenciamento da Hidrelétrica Castanheira
O Ministério Público Federal (MPF) e a Defensoria Pública da União (DPU) ajuizaram ação civil pública na última sexta-feira (8) visando suspender o processo de licenciamento da Usina Hidrelétrica Castanheira, prevista para ser instalada no Rio Arinos, na Bacia do Tapajós, em Juara.


Leia mais
MPF vai acompanhar impactos de mineradoras ao povo Nambikwara que vive na TI Sararé


 Ação tem como alvos o Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais (Ibama), o Estado de Mato Grosso e a Empresa de Pesquisa Energética (EPE). Informação foi veiculada nesta segunda (11) pela assessoria do MPF.
 
Os órgãos pedem que a Justiça Federal suspenda imediatamente o licenciamento da usina, até que haja julgamento final do caso. Também busca a declaração da competência do Ibama para o licenciamento do empreendimento, atualmente conduzido pela Secretaria de Meio Ambiente do Estado de Mato Grosso (Sema-MT).

Conforme o MPF, a Sema não tem atribuição do Ibama, responsável por analisar os impactos ambientais em âmbito nacional ou regional que instalações desse porte podem causar.

Para o licenciamento ser efetivado, necessário a execução e apresentação de Estudo de Impacto Ambiental (EIA) e o Relatório de Impacto Ambiental (Rima). No entanto, segundo o MPF, os estudos até então apresentados pela EPE são insuficientes e incompletos, já que não contemplaram a cumulação de efeitos da instalação da usina com outros projetos executados na mesma bacia, tampouco apurou os prejuízos que a construção poderá causar aos povos indígenas que vivem na região.

Embora a usina Castanheira tenha sido projetada para ter uma potência instalada de 140 megawatts (MW), estima-se que gerará algo em torno de 98 MW de energia firme, registra a ação. Seu reservatório abrangerá uma área aproximada de 94 quilômetros quadrados.

O projeto faz parte do Inventário Hidroelétrico da Bacia do Rio Juruena, que prevê a instalação de dezenas de aproveitamentos hidrelétricos na região. Por essa razão, deveria ser considerado no contexto de toda a bacia hidrográfica, combinado a centenas de outros empreendimentos hidrelétricos que, em sua maioria, ainda estão no status de planejamento, observam os autores da ação.

Além de impactar a fauna e a flora da região, bem como as bacias hidrográficas, o MPF aponta que a instalação da hidrelétrica pode afetar diversos povos indígenas que vivem ali e depende dos recursos naturais para sua sobrevivência e cultura.

Dentre os povos que sobrevivem culturalmente no local estão os os Apiaká, Kayabi, Munduruku, Rikbaktsa, Nambikwara e Enawenê-nawê. O estudo de impacto ambiental da usina não considerou adequadamente os impactos sobre as comunidades indígenas, nem realizou uma consulta prévia, livre e informada com elas, conforme previsto na legislação nacional e internacional.
 
De acordo com laudo técnico de avaliação dos instrumentos de planejamento e de licenciamento da Usina Hidrelétrica Castanheira realizados pela Operação Amazônia Nativa (Opan), a usina é inviável do ponto de vista ambiental, social, hidrológico e cultural, pois afeta a conectividade hidrológica do Rio Arinos, que é um dos últimos rios de fluxo livre da Bacia do Juruena. O laudo também aponta que a usina alterará a qualidade e a quantidade da água, comprometendo a biodiversidade, a pesca e a saúde das populações ribeirinhas.

(Com informações da assessoria)
Entre em nossa comunidade do WhatsApp e receba notícias em tempo real, clique aqui

Assine nossa conta no YouTube, clique aqui

Comentários no Facebook

Sitevip Internet