Olhar Jurídico

Sábado, 18 de maio de 2024

Notícias | Civil

EMBARGOS REJEITADOS

Juíza mantém ação contra Nininho e Silval sobre suposta propina de R$ 7 milhões para concessão de rodovia

Foto: Rogério Florentino / Olhar Direto

Juíza mantém ação contra Nininho e Silval sobre suposta propina de R$ 7 milhões para concessão de rodovia
A juíza Celia Regina Vidotti negou embargos e manteve a decisão de saneamento que organizou ação que pede a condenação do ex-governador de Mato Grosso, Silval Barbosa, e do deputado estadual Ondanir Bortolini, o “Nininho” (PSD), por suposto esquema de propina no valor de R$ 7 milhões para concessão de trecho da Rodovia MT-130. Ordem foi publicada nesta quarta-feira (13) no Diário Oficial de Justiça.


Leia mais
Condenado a 18 anos por integrar grupo que roubou cargas de soja em MT, empresário é mantido preso na PCE

 
Um dos réus no processo, Jurandir da Silva Vieira, ajuizou embargos de declaração apontando que a decisão saneadora não considerou a defesa apresentada, salientando que não participou do procedimento licitatório e, por isso, não possui liame subjetivo com os demais requeridos.

Examinando o caso, a magistrada não vislumbrou a omissão apontada pelo embargante, somente sua intenção em alterar a decisão do modo que poderia lhe favorecer.

“Denota-se que a controvérsia alegada pelo embargante, já consta na decisão de saneamento como ponto controvertido, na medida em que deverão ser produzidas as provas durante a instrução do processo, para averiguar se houve ou não a fraude no contrato de concessão firmado com a empresa Morro da Mesa Concessionária S/A., significa dizer que será necessário comprovar existência de fraude no contrato, na sua formalização ou mesmo na sua execução”, proferiu.

No dia 22 de novembro de 2023, a magistrada assinou a ordem que organizou o processo, decidindo manter a ação. Porém, ela levantou ponto controvertido que deveria ser resolvido no decorrer do caso.

Na ocasião, Silval Barbosa ajuizou preliminar de ausência de interesse de agir alegando que firmou acordo de colaboração premiada nas esferas criminal e cível, que estabeleceu as penalidades para pagamento indenizatório, perda de função pública e suspensão de direitos políticos. Por isso, não haveria mais interesse de agir na ação. A magistrada rechaçou o argumento.

Celia Regina Vidotti anotou que o interesse de agir permanece independente do ressarcimento do dano, uma vez que a legislação submete o responsável pelo ato de improbidade às penalidades previstas na Lei 8.429/92.

Nininho apresentou contestação discorrendo sobre as alterações legislativas, requerendo a aplicação retroativa das novas disposições benéficas da lei, arguindo preliminar de inépcia da inicial. A inépcia da inicial foi afastada.

No mérito, alegou também, a inexistência de ato de improbidade por falta de prova, defendendo que o processo licitatório, a assinatura do contrato de concessão e os termos aditivos foram realizados em conformidade com o direito, requerendo, ao final, a improcedência da ação.

Porém, anotou a juíza que, segundo consta dos autos, os valores pagos a título de propina ao requerido Silval, em benefício da Morro da Mesa Concessionaria S/A., teriam sido supostamente repassados por Nininho e Eloi Brunetta, via entrega de dinheiro em espécie e emissão de cheques de titularidade da empresa requerida Construtora Tripolo LTDA., que pertence aos familiares de Nininho, sendo que os referidos cheques teriam sido entregues para o pagamento de uma suposta dívida do requerido Silval.

Preliminares de ilegitimidade passiva, inépcia da inicial, ausência de improbidade e conduta de dolo também foram afastadas pela juíza. Sobre a existência ou não de ato ímprobo e conduta dolosa, a juíza anotou que ambas questões deverão ser submetidas a atividade probatória durante a instrução processual.

Arnaldo Alves, na condição de Secretário de Estado da Secretaria de Transportes e Pavimentação Urbana sustentou pela prejudicial de mérito argumentando extrapolação do prazo para a propositura da ação. Celia deu razão ao pedido entendendo que ocorreu a prescrição quinquenal e, com isso, extinguiu o processo com resolução do mérito em relação a ele.

Pedido de indisponibilidade no valor de R$ 77 milhões feito pelo Ministério Público foi negado. No entanto, a juíza fixou pontos controvertidos a serem esclarecidos durante a instrução do caso: se houve fraude no Contrato de Concessão nº 001/2001/00/00-SETPU e aditivos celebrados entre o Estado de Mato Grosso e a empresa requerida Morro da Mesa Concessionária S/A.; se houve pagamento de propina para favorecer a contratação irregular desta empresa e; se estas condutas ocasionaram enriquecimento ilícito e efetivo prejuízo ao erário.
 
Esquema de propina

Narrou o Ministério Público na inicial a possível existência de fraude no contrato administrativo de concessão da rodovia MT-130, trecho correspondente a 122 quilômetros de extensão entre os municípios de Rondonópolis e Primavera do Leste, em relação a execução do Contrato Administrativo n.º 025/2013-SETPU, assinado em fevereiro de 2013, tendo sido firmado em razão do pagamento de propina no valor de R$ 7 milhões para favorecer a empresa requerida Morro da Mesa Concessionária S/A.

Ainda, segundo consta dos autos, os valores pagos a título de propina a Silval Barbosa, em benefício da requerida Morro da Mesa Concessionaria S/A., teriam sido supostamente repassados por Ondanir e Eloi Brunetta, via entrega de dinheiro em espécie e emissão de cheques de titularidade da empresa requerida Construtora Tripolo LTDA., que pertence aos familiares do requerido Ondanir, sendo que os cheques teriam sido entregues para o pagamento de uma suposta dívida do requerido Silval.
 
Entre em nossa comunidade do WhatsApp e receba notícias em tempo real, clique aqui

Assine nossa conta no YouTube, clique aqui

Comentários no Facebook

Sitevip Internet