Olhar Jurídico

Quarta-feira, 22 de maio de 2024

Notícias | Trabalhista

Edifício

MRV é condenada pelo TRT em Mato Grosso por demitir trabalhador que vive com HIV

Foto: Reprodução

MRV é condenada pelo TRT em Mato Grosso por demitir trabalhador que vive com HIV
A Primeira Turma do Tribunal Regional do Trabalho (TRT-MT) condenou a MRV a pagar R$ 10 mil de indenização ao filho de um trabalhador portador de HIV que foi demitido sem justa causa e por conduta discriminatória por parte da empresa. Acórdão foi proferido à unanimidade seguindo o voto do desembargador relator Tarcisio Regis Valente.


Leia mais
Dilmar diz que empresas concediam 'cortesias' em formas de passagem a parlamentares, servidores e funcionários

Inicialmente, o juízo de primeira instância indeferiu o pedido indenizatório, considerando que não houve comprovação de que a MRV tenha agido com discriminação ao colaborador, que, por sua vez, foi contratado para trabalhar nas obras do Edifício Spazio Cristalli, por R$ 817,50.

A família de E.A.S., então, ajuizou recurso contra a decisão. Examinando o caso, o desembargador relator fundamentou seu voto considerando que o Tribunal Superior do Trabalho editou súmula a qual presume-se discriminatória a dispensa de empregado portador de HIV ou outras doenças graves que resulte em preconceito. Também citou artigos do código civil que recomendam que o causador de dano a terceiros fica obrigado a indenizar.

Outro ponto levantado pelo relator foi o fato de que se considera arbitrária a despedida que não se fundar em motivo disciplinar, técnico, econômico ou financeiro, de modo que a demissão de E.A.S. se deu por motivo discriminatório.

No tramitar do caso, a MRV contestou as alegações da família do trabalhador, falecido em outubro de 2013, cerca de dois meses após o findar da construção do edifício, alegando que não sabia do seu quadro de saúde, e somente o desligou porque a obra tinha encerrado.

No entanto, Tarcísio anotou que a Carta de Aviso Prévio apresentada pela MRV ao obreiro não mencionou os motivos da demissão, limitando-se a orientá-lo a procurar o RH para receber seus acertos.

Também lembrou que o trabalhador já se encontrava com a saúde visivelmente debilitada, pois acometido por desnutrição proveniente de imunodeficiência adquirida por conta do vírus. Esse fato foi corroborado por depoimento de uma testemunha e também trabalhadora da obra.

“Informou ser perceptível que o trabalhador estava enfraquecido pela doença - fato que era notado visualmente por todos os seus companheiros de trabalho”, diz trecho do acórdão.

Assim, o relator considerou que prova oral e documental juntadas no processo evidenciaram que a MRV tinha sim conhecimento de que o trabalhador estava debilitado por conta da doença.
 
Como a construtora, desta forma, não conseguiu comprovar que a demissão ocorreu por razões disciplinares, técnicos, econômicos ou financeiros, o entendimento firmado pelo Tribunal foi que a MRV deve indenizar o obreiro pela dispensa discriminatória.

“Por tais razões, ao Recurso Ordinário interposto dou parcial provimento pelo reclamante para condenar a reclamada ao pagamento do valor de R$ 10.000,00 (Dez mil reais) a título de compensação por danos morais”, votou o relator, seguido por todos os magistrados da Primeira Turma.
Entre em nossa comunidade do WhatsApp e receba notícias em tempo real, clique aqui

Assine nossa conta no YouTube, clique aqui

Comentários no Facebook

Sitevip Internet