Olhar Jurídico

Segunda-feira, 24 de junho de 2024

Notícias | Criminal

40 DIAS

MPE requer laudo de reconstituição sobre aluno bombeiro morto na Lagoa Trevisan

Foto: Reprodução

MPE requer laudo de reconstituição sobre aluno bombeiro morto na Lagoa Trevisan
O Ministério Público pediu ao juízo da 11ª Vara Criminal de Cuiabá que a polícia apresente em 40 dias o Laudo de Reconstituição Simulada sobre a morte do aluno soldado Lucas Veloso Peres, do Corpo de Bombeiros. Pedido foi feito na denúncia oferecida pela 13ª Promotoria em face do capitão do corpo, Daniel Alves de Moura e Silva e o Soldado Kayk Gomes dos Santos, denunciados por, supostamente, terem matado Lucas no dia 27 de fevereiro deste ano, durante um treinamento ocorrido na Lagoa Trevisan, capital.


Leia mais
Procurador aponta golpe no Judiciário e diz que PGE está mal informada sobre o Cristalino II

Requerimento aponta necessidade de diligências para apuração complementar, visando a remessa do laudo, uma vez que o mesmo não foi concluído até o fim do procedimento investigatório.

De acordo com o Ministério Público (MPE), os denunciados, agindo com dolo eventual, mataram a vítima mediante asfixia por afogamento e prevalecendo-se da situação de serviço. 

O crime aconteceu em fevereiro deste ano, durante um procedimento de instrução de salvamento aquático realizado na Lagoa Trevisan, em Cuiabá.

Na denúncia, o MPE requereu ainda a fixação de valor mínimo para reparação dos danos causados em favor dos familiares da vítima. Calculou que Daniel Alves deve pagar R$ 700 mil e Kayk R$ 350 mil, totalizando-se R$ 1,05 milhão a ser pago em favor dos familiares de Lucas.

De acordo com a denúncia, o Cap BM Daniel Alves de Moura e Silva foi o responsável por comandar a atividade prática de instrução de salvamento aquático, tendo como monitores o codenunciado Sd BM Kayk Gomes dos Santos e o Sd BM Weslei Lopes da Silva. Inicialmente o capitão determinou que os alunos se organizassem em grupos de quatro militares para realizar uma corrida de cerca de um quilômetro e, na sequência, atravessar o lago a nado.

Conforme a dinâmica proposta, a cada dois alunos, um deveria portar o flutuador do tipo Life Belt. Nessa divisão, Lucas Veloso Peres ficou com a missão de levar o equipamento. Após percorrer aproximadamente 100 metros da travessia a nado, o aluno passou a ter dificuldades na flutuação e parou para se recompor, utilizando o Life Belt.

Desconsiderando o estado de exaustão do soldado, o capitão determinou que ele soltasse o flutuador e continuasse o nado. A vítima tentou dar prosseguimento à atividade por diversas vezes, voltando a buscar o flutuador em razão das dificuldades.

O capitão insistiu para que o soldado soltasse o equipamento de segurança, proferindo ameaças, até que determinou a Kayk para que retirasse o flutuador da vítima. O monitor retirou o Life Belt da vítima e lhe deu “vários e reiterados caldos”. Desesperado e com intenso sofrimento físico e mental, a vítima passou a clamar por socorro e pedir para sair da água.

O capitão, que estava em uma prancha, desceu do equipamento, ordenou que os alunos continuassem a travessia e disse que supervisionaria a vítima. Ele se posicionou à frente do aluno quando percebeu que ele submergiu. Ao retornar à superfície, Lucas estava inconsciente. A vítima foi colocada na embarcação e imediatamente constatada que “não havia pulsação carotídea, e, portanto, havia entrado em parada cardiorrespiratória”. O aluno morreu no local.
Entre em nossa comunidade do WhatsApp e receba notícias em tempo real, clique aqui

Assine nossa conta no YouTube, clique aqui

Comentários no Facebook

Sitevip Internet