Olhar Jurídico

Segunda-feira, 24 de junho de 2024

Notícias | Civil

IBOPE EM ANO ELEITORAL

Sem empenhar R$ 40 mil a projetos culturais para crianças e adolescentes, município quer trazer Eduardo Costa por R$ 600 mil

Foto: Reprodução

Sem empenhar R$ 40 mil a projetos culturais para crianças e adolescentes, município quer trazer Eduardo Costa por R$ 600 mil
O Ministério Público do Estado está pedindo que a Justiça suspenda o show de Eduardo Costa, marcado para o dia 4 de setembro no município de Feliz Natal, por R$ 600 mil. O promotor Daniel Luiz dos Santos apontou no requerimento que a cidade não empenha R$ 40 mil para projeto voltado à capacitação cultural de crianças e adolescentes, mas gasta quase R$ 1 milhão e meio em show artísticos, com duração de um final de semana, com fim de dar “ibope” aos gestores municipais no ano eleitoral.


Leia mais
Sem fornecer merenda escolar e com problemas nas unidades básicas de saúde, município tem show de Amado Batista suspenso

O show está marcado para acontecer na Expofeliz 2024, que pretende trazer mais três artistas: Manu Bahtidão, por R$ 295 mil, Humberto e Ronaldo, por R$ 215 mil e Naiara Azevedo, por R$ 300 mil.

Segundo o promotor, além de ser desproporcional e sem justificativa, os shows, sobretudo de Eduardo Costa, seriam superfaturado. Para embasar o argumento, Daniel Luiz dos Santos mostrou que o sertanejo já fez shows em cidades muito maiores, como Manaus, que tem 2 milhões de habitantes, por R$700 mil, ao passo que em Feliz Natal, que tem pouco mais de 10 mil, o valor seria de seiscentos mil.

Em Conquista D’Oeste, em dezembro de 2023, o sertanejo realizou apresentação por R$ 388 mil. Para o Ministério Público, o município de Feliz Natal deveria empenhar tais valores para projetos culturais duradouros, e não para shows de um final de semana com cunho estritamente político, já que 2024 é ano eleitoral. As eleições acontecem em outubro, e a exposição seria um mês antes.

“Se há sobras de recursos, na pasta da cultura, tais recursos podem e dever ser gastos em ações com alcance social duradouro, e não, meramente, em festa de fim de semana com clara ampliação do capital político do gestor”, apontou o órgão ministerial na peça, acrescentando que o show de Eduardo Costa é impertinente à realidade municipal e prejudicial aos cofres da cidade.

Portanto, pediu que a Vara Única de Feliz Natal suspenda o contrato firmado com a empresa Ecxpetaculo Produções Ltda por lesão ao interesse público, bem como qualquer pagamento a ser feito. No mérito, postulou pela nulidade completa da licitação que visa trazer os sertanejos.  
Entre em nossa comunidade do WhatsApp e receba notícias em tempo real, clique aqui

Assine nossa conta no YouTube, clique aqui

Comentários no Facebook

Sitevip Internet