Olhar Jurídico

Sexta-feira, 24 de maio de 2024

Notícias | Empresarial

BAIXA DAS NEGATIVAS

Grupo Guanabara entra em recuperação judicial

Foto: Reprodução/Ilustração

Grupo Guanabara entra em recuperação judicial
O juiz Francisco Ney Gaiva, da 1ª Vara Cível da Comarca de Campo Verde (130 Km de Cuiabá), deferiu na tarde da última quinta-feira (04), o processamento da recuperação judicial para o Grupo Guanabara, composto pela Transportadora Guanabara e Algodoeira Guanabara. Com a reestruturação concedida pelo Poder Judiciário, o grupo deverá renegociar aproximadamente R$ 20 milhões de passivo, sendo que mais de 80% dos débitos são com as instituições financeiras.


Leia mais 
TRE nega liminar para suspender propaganda de Taques que liga Lúdio a Silval e Bezerra


Nos autos do processo constou que a crise econômica financeira se agravou ainda mais nos últimos três anos, pois a empresa enfrentou grandes impactos de aumentos de custos operacionais, como combustíveis, peças e manutenção em geral, levando as mesmas a realizar empréstimos junto às instituições financeiras.

Além da nomeação do administrador judicial, o juiz também determinou a dispensa da apresentação de certidões negativas para que a empresa possa exercer suas atividades normalmente, assim como, a suspensão de todas as ações ou execuções contra o Grupo Guanabara.

Seguindo os princípios da Lei de Recuperação Judicial foi determinada a baixa das negativas da empresa no Serasa e nos cartórios de protesto, estendendo tal benefício aos coobrigados da empresa devedores (sócios avalistas), determinando que a empresa apresente dentro do prazo de 60 dias o plano de recuperação judicial, o qual conterá a forma e prazo de pagamento dos credores.

De acordo com o advogado da Transportadora Guanabara, Marco Aurélio Medeiros, a empresa captou recursos em instituições financeiras com taxas de juros maiores e prazos mais curtos, o que provocou alto endividamento, cenário este, que deverá ser sanado pela recuperação judicial, em vista da possibilidade de renegociação de forma coletiva com os seus credores.

Ainda segundo o advogado, com o deferimento do processamento, serão iniciadas as negociações com os credores para construção do plano de recuperação. “Assim em um curto prazo, a empresa poderá voltar a crescer e gerar mais renda para a sociedade local, mantendo os empregos de todo o corpo de funcionários que o Grupo possui”, explicou Medeiros.

Leia mais notícias do Olhar Jurídico

Entre em nossa comunidade do WhatsApp e receba notícias em tempo real, clique aqui

Assine nossa conta no YouTube, clique aqui

Comentários no Facebook

Sitevip Internet