Olhar Jurídico

Quarta-feira, 16 de outubro de 2019

Notícias / Ambiental

Desembargador suspende liminar que retirava 2,5 mil pessoas de terra indígena em MT

Da Redação - Carlos Gustavo Dorileo

24 Set 2019 - 19:01

Foto: Reprodução

Desembargador suspende liminar que retirava 2,5 mil pessoas de terra indígena em MT
O desembargador federal Kássio Nunes Marques, do Tribunal Regional Federal (TRF), suspendeu na tarde desta terça-feira (24) a liminar que obrigava a desocupação de 2,5 mil moradores – não índios – da comunidade Jarudore, no município de Poxoréu (MT).

Leia também
Ministro confirma reunião com a Funai para pacificar caso Jarudore


A decisão foi publicada pelo TRF no final da tarde vem de encontro com o anseio dos moradores que vivem no distrito há mais de 70 anos. O caso seguirá tramitando em Brasília.

No Plenário da Câmara Federal, o deputado José Medeiros (Pode) comemorou ao tomar conhecimento da decisão em primeira instância.

“Uma grande vitória, nos esforçamos muito. Temos que parabenizar a bancada toda e a cada morador de Jarudore. Ainda não é o trânsito em julgado, mas eu diria que é uma vitória substancial na busca pela reafirmação da verdade que se impõe. As pessoas sempre moraram nessas terras”, disse o parlamentar em vídeo publicado nas redes sociais.

Desde o dia 20 de agosto, os moradores que ocupam áreas de 1.930 hectares deveriam ter se retirado e atendido o prazo de 45 dias, conforme a determinação judicial relativa à ação civil pública proposta pelo Ministério Público Federal (MPF), para a reintegração de posse de terra pelos povos indígenas Bororo. Já as áreas com 1.730 hectares, o período determinado foi de 90 dias para a devida desocupação.

O Distrito de Jarudore foi reconhecido como terra Indígena, em 1912. No entanto, atualmente, menos de 20 índios da etnia Bororo vivem no local. O restante da área é ocupado por cerca de 1,3 mil pessoas, que vivem e exploram atividades econômicas na região.

5 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Olhar Jurídico. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Olhar Jurídico poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

  • Chico Bento
    25 Set 2019 às 09:27

    Essa comunidade já existe há quase um século. As terras foram sendo beneficiadas, até chegar as propriedades chegarem a 100% produtivas. Por que "Terra Indígena"?

  • aldo
    25 Set 2019 às 08:23

    Vetado por conter expressões ofensivas e/ou impróprias, denúncias sem provas e/ou de cunho pessoal ou por atingir a imagem de terceiros. Queira por favor refazer seu comentário e reenviá-lo.

  • Velho chico
    24 Set 2019 às 20:54

    Até que enfim a justiça está sendo feita. Votem esses índios pra trabalhar.

  • Ecio
    24 Set 2019 às 20:36

    Vetado por conter expressões ofensivas e/ou impróprias, denúncias sem provas e/ou de cunho pessoal ou por atingir a imagem de terceiros. Queira por favor refazer seu comentário e reenviá-lo.

  • Marcos
    24 Set 2019 às 20:12

    20 índios vão tomar conta de 3600 hectares?

Sitevip Internet