Olhar Jurídico

Domingo, 19 de janeiro de 2020

Notícias / Civil

STF nega recurso que tentava trancar ação de R$ 61 milhões envolvendo construtora, Silval e Maggi

Da Redação - Arthur Santos da Silva

03 Out 2019 - 09:47

Foto: Rogério Florentino Pereira/Olhar Direto

STF nega recurso que tentava trancar ação de R$ 61 milhões envolvendo construtora, Silval e Maggi
O ministro Edson Fachin, membro do Supremo Tribunal Federal (STF), negou recurso da construtora Encomind Engenharia Ltda, empresa alvo da Operação Ararath que busca trancar ação civil pública por ato de improbidade administrativa que tramita em Mato Grosso. A decisão foi publicada no Diário de Justiça desta quinta-feira (3).

Leia também 
Delator revela nome de empresário que pagou empréstimo supostamente fraudulento no Bic Banco


Além da Encomind, a ação proposta pelo Ministério Público aciona Antonio Teixeira Filho, Hermes Bernardes Botelho, Rodolfo Aurélio Borges de Campos, Dilmar Portilho Meira, João Virgílio do Nascimento Sobrinho, Dorgival Veras de Carvalho, Ormindo Washington de Oliveira, os ex-secretários de Estado Éder de Moraes Dias e Edmilson José dos Santos, e os ex-governadores Silval da Cunha Barbosa e Blairo Maggi.

O recurso buscava reexaminar decisão do Tribunal de Justiça do Estado do Mato Grosso (TJMT) que negou reconhecer a incompetência da Vara especializada em Ação Civil Pública e Ação Popular para julgar o caso.
 
O valor da causa é estabelecido em R$ 61 milhões. O Ministério Público afirma que a empresa Encomind, para receber créditos do Estado, aceitou participar de fraude na qual os valores efetivamente pagos pela Administração Pública retornavam ao grupo político.
 
Em sua decisão, Edson Fachin afirmou que “não há que se falar em incompetência do Juízo da Vara Especializada em Ação Civil Pública e Ação Popular”. A questão, segundo ele, já foi debatida no Supremo. “Verifico, portanto, que acórdão recorrido está em consonância com a jurisprudência do STF. Ante o exposto, nego provimento ao recurso”.

0 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Olhar Jurídico. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Olhar Jurídico poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

Sitevip Internet