Olhar Jurídico

Quarta-feira, 16 de outubro de 2019

Notícias / Civil

MP denuncia ex-secretário por fraude em licitação e pede ressarcimento de R$ 1 milhão

Da Redação - Arthur Santos da Silva

07 Out 2019 - 09:21

Foto: Rogério Florentino Pereira/Olhar Direto

Julio Modesto ao lado do ex-governador Pedro Taques

Julio Modesto ao lado do ex-governador Pedro Taques

O Ministério Público (MPE) ofereceu ação por ato de improbidade administrativa com pedido de ressarcimento contra o ex-secretário de Gestão de Mato Grosso Julio Modesto, levando em conta supostas irregularidades na contratação da empresa Sal Aluguel de Carros Ltda.

Leia também 
Justiça manda penhorar faturamento de livros escritos por João Emanuel


Segundo o órgão ministerial, houve fraude em licitação, gerando dano ao erário no total de R$ 1,195 milhão. Há pedido de ressarcimento exatamente no valor do suposto dano causado. O montante será corrigido por juros.
 
Além de Modesto e da empresa, a ação, assinada pelo promotor de Justiça Célio Fúrio no dia 4 de outubro, tem ainda como alvos a servidora Cilbene Arruda Velo e o empresário Alexssandro Neves Botelho (dono da Sal).
 
A licitação visava prestação de serviços de locação de veículos, com motorista, sendo micro-ônibus, para atender as necessidades dos órgãos do Poder Executivo de Mato Grosso.
 
Pelas provas colhidas e pelos documentos juntados, o MPE afirma que o objeto licitado foi dividido em quatro lotes. Após a apresentação das propostas e recebimento dos documentos de habilitação das licitantes, a pregoeira Cilbene de Arruda Velo declarou vencedora a empresa e o então secretário de Estado homologou o resultado.
 
O resultado foi homologado embora a empresa Sal Aluguel de Carros estivesse impedida de participar de licitações e de contratar com a Administração Pública Estadual, por decisão administrativa.
 
Além de demonstrar o impedimento da empresa, o Ministério Público recorreu a informações recentes divulgadas em delações premiadas. O ex-governador Silval da Cunha Barbosa e seu filho, Rodrigo Barbosa, foram lembrados.
 
“Importante registrar, ainda, que o Réu Alexssandro Neves Botelho além de utilizar diversas pessoas jurídicas para burlar os procedimentos licitatórios, pagava propina a Rodrigo da Cunha Barbosa, filho do ex-governador do Estado de Mato, Silval da Cunha Barbosa, certamente para manter os contratos anteriores que tinha com o Estado de Mato Grosso e eram objeto de fraude”.
 
O caso foi distribuído ao juízo da Vara Especializada em Ação Civil Pública e Ação Popular da Comarca da Capital. Possível recebimento ainda será examinado.
 
“Pelo exposto, a presente Ação Civil Pública tem por finalidade obter provimento jurisdicional que declare a ocorrência de atos de improbidades administrativas praticadas pelos Réus, consistentes, em suma, em fraude à licitação para contratação de serviços de locação de veículos, em prejuízo ao erário, o que resultou na nulidade da licitação, contrato e aditivos, de modo que lhes sejam aplicadas as sanções correspondentes”, finalizou o MPE.

2 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Olhar Jurídico. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Olhar Jurídico poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

  • Tatu
    07 Out 2019 às 14:13

    Vetado por conter expressões ofensivas e/ou impróprias, denúncias sem provas e/ou de cunho pessoal ou por atingir a imagem de terceiros. Queira por favor refazer seu comentário e reenviá-lo.

  • Teodorico Montemayor - CP-45
    07 Out 2019 às 11:00

    Vetado por conter expressões ofensivas e/ou impróprias, denúncias sem provas e/ou de cunho pessoal ou por atingir a imagem de terceiros. Queira por favor refazer seu comentário e reenviá-lo.

Sitevip Internet