Olhar Jurídico

Terça-feira, 25 de fevereiro de 2020

Notícias / Criminal

MPE investiga destruição de área de preservação ao lado do Parque Mãe Bonifácia; veja vídeos

Da Redação - Arthur Santos da Silva

23 Jan 2020 - 11:10

Foto: Rogério Florentino Pereira/Olhar Direto

MPE investiga destruição de área de preservação ao lado do Parque Mãe Bonifácia;  veja vídeos
O promotor de Justiça Carlos Eduardo Silva, membro do Ministério Público de Mato Grosso (MPE), instaurou inquérito civil no dia 21 de janeiro para investigar aterramento e destruição de área de preservação ao lado do Parque Mãe Bonifácia, em Cuiabá.

Leia também 
Justiça suspende construção de escolinha ligada a Ronaldo Fenômeno

 
Ainda segundo portaria, trata-se de uma área de preservação permanente de curso de água. O Edifício Arthur, empreendimento de alto padrão, é citado como ponto de referência. O possível crime estaria sendo cometido em frente ao condomínio.
 
O Ministério Público já comunicou a Secretaria Municipal de Meio Ambiente e Desenvolvimento Urbano (Smades) para que seja elaborado relatório técnico ambiental para descrição dos danos promovidos, relatando ainda as medidas necessárias para a restauração ambiental e compensação ao crime.
 
Apesar de ser citado, não há conclusão que ligue o Edifício Arthur ao aterramento. A assessoria de imprensa do Ministério Público explicou que o caso ainda está em investigação, não sendo possível a divulgação de mais informações.



Mãe Bonifácia
 

O problema envolvendo parte da área que circunda o Parque Mãe Bonifácia foi noticiado pelo Olhar Jurídico. O juiz Carlos Roberto Campos, da Segunda Vara Cível Especializada em Direito Agrário de Cuiabá, acatou pedido liminar para suspender obra de um centro de treinamento da franquia Ronaldo Academy, ligada ao ex-jogador de futebol Ronaldo Fenômeno.

O empreendimento está localizado na Avenida Miguel Sutil, também ao lado da grande área verde.
 
Liminar atendeu pedido de pessoa identificada como Evanildo Martins da Fonseca. Ele alegou que em 31 de dezembro de 2019 se deparou com a construção. Segundo argumentado, a área está em litígio. Processo de reintegração de posse data de 2010.

Água para o fututo

O Ministério Público de Mato Grosso desenvolve o projeto Água para o Futuro, uma iniciativa que busca, prioritariamente, garantir a segurança hídrica e o abastecimento de água potável por meio da identificação, preservação e recuperação das nascentes. 


 

6 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Olhar Jurídico. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Olhar Jurídico poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

  • Mario
    24 Jan 2020 às 06:50

    Infelizmente em Cuiabá tem invasões de APPs e nunca acontece nada com os responsáveis. Nossa cidade tem lindas áreas com nascentes que vão acabando aos poucos.Quando acabar o verde que ainda tem, vão reordenar a cidade como ela merece?

  • Paolo
    23 Jan 2020 às 12:29

    Bla bla conversinha sem futuro pra no final não dar em nada.

  • Edivaldo
    23 Jan 2020 às 12:28

    Esse foi um córrego pois em Cuiabá não existe capitação de águas nos bairros e esse motivo o referido córrego já não existe mais, e apenas mais um bueiro a céu aberto, como está o córrego me-pinto e outros que corta a nossa capital, atrás do crea tem um córrego que o povo chama de córrego do cachão esse é mais um bueiro vejo que o MP deveria notificar o Governador para corrigir isso aí sim

  • Curioso
    23 Jan 2020 às 11:54

    E ESSA ÁREA ATRAZ DA MACRO , HOSPITAL SANTA ROSA , NÃO SERIA A MESMA COISA? FRENTE NA AV. MIGUEL SUTIL E AV. MÁRIO PALMA

  • Eli
    23 Jan 2020 às 11:29

    Acho que o MP tem que condenar as pessoas que invadem as APPs, em Cuiabá fazem isso sempre e não acontece punição. Qtas estão invadidas e mesmo com ação judicial não são retiradas? No bairro Real Parque tem área de nascente invadida e até hoje as pessoas estão lá e construindo as casas.

  • Edilza
    23 Jan 2020 às 11:29

    Se na frente de todos praticam tal crime, na longingua imensidão de Mato Grosso invadem e acabam tomando conta do lugar.

Sitevip Internet