Olhar Jurídico

Quinta-feira, 21 de outubro de 2021

Notícias / Criminal

falta grave

Recusa de reeducando em receber vacina pode acarretar sanções, decide Justiça

Da Redação - Arthur Santos da Silva

17 Ago 2021 - 08:59

Foto: Rogério Florentino Pereira/Olhar Direto

Recusa de reeducando em receber vacina pode acarretar sanções, decide Justiça
A Justiça acolheu manifestação do Ministério Público de Mato Grosso (MPE) e determinou a intimação de um reeducando da Cadeia Pública de Paranatinga (373 km de Cuiabá) para que seja informado de que a recusa em tomar a vacina contra a Covid-19 poderá ser entendida como falta grave, nos termos do artigo 50 da Lei de Execução Penal (LEP). O juízo da 2º Vara da comarca também oficiou ao diretor da unidade para que informe, no prazo de cinco dias, se aquele aceitou se vacinar e em qual data será imunizado.     

Leia também 
Justiça mantém descredenciamento da Oncomed


Conforme a decisão, caso o reeducando continue a se negar, será reconhecida a falta grave e impostas as sanções previstas em lei, como limitações e restrições na unidade prisional, bem como a retificação do atestado de pena, interrompendo o cômputo para a progressão de regime.     

Para o promotor de Justiça substituto Fabricio Miranda Mereb, “a necessidade de promover e proteger a saúde de todos os reeducandos e agentes prisionais da cadeia de Paranatinga, bem como de toda a população, deve se sobrepor ao direito individual do reeducando em se abster de cumprir a obrigação de ser vacinado”.   

A Cadeia Pública de Paranatinga comporta 61 pessoas presas, além dos servidores públicos. “Logo, a negativa do reeducando em vacinar-se estando em um local onde há muitas pessoas em um único ambiente, o qual é pouco arejado, coloca em risco não apenas a sua saúde, mas também de todos os demais”, destacou a juíza Luciana Braga Simão Tomazetti.
Entre em nosso grupo de WhatsApp e receba notícias em tempo real, clique aqui

Comentários no Facebook

Sitevip Internet