Olhar Jurídico

Quinta-feira, 18 de agosto de 2022

Notícias | Civil

irregularidades

Observatório entra com ação para suspender resolução e instaurar nova CPI da Saúde em Cuiabá

Foto: Rogério Florentino Pereira/Olhar Direto

Observatório entra com ação para suspender resolução e instaurar nova CPI da Saúde em Cuiabá
O Observatório Social de Mato Grosso propôs ação contra a Câmara Municipal de Cuiabá buscando anular a Resolução nº 22, de 17 de novembro de 2021, que nomeou os membros da “CPI da Saúde”. Comissão Processante foi criada para investigar a suposta existência de uma organização criminosa na Secretaria de Saúde de Cuiabá.

Leia também 
Supremo mantém cassação de prefeito acusado de acumular cargos em Mato Grosso

 
Segundo os autos, a Câmara não observou pontos formais do regimento interno, o que deu “azo a uma resolução que afronta diretamente valores mais caros do regime constitucionalmente vigente, como a democracia e a igualdade material, ao ignorar o Regimento Interno e a Constituição da República para a formação das comissões processantes por esta casa de leis”.
 
Conforme processo, o Regimento Interno da Câmara Municipal prevê que as CPIs devem ser compostas observando-se a proporcionalidade partidária. Porém, composição foi realizada em eleição simples entre os que manifestaram interesse em participar.
 
Além da irregularidade formal, o ato propiciou a formação de uma maioria que não apenas apoia politicamente o chefe do executivo, “como também possivelmente com ele pratica atos ilícitos”, diz trecho do processo.
 
“Portanto, resta clarividente que a intenção dos agentes envolvidos no ato administrativo aqui guerreado é blindarem-se contra eventual apuração da Câmara Municipal no tocante aos ilícitos perpetrados em conjunto com o chefe do executivo”.
 
Liminarmente, o Observatório Social pede a concessão da tutela para determinar a imediata suspensão dos efeitos da Resolução nº 22 de 17 de novembro de 2021 da Câmara Municipal de Cuiabá; ainda, determinação de instauração de nova CPI que respeite a proporcionalidade partidária.
 
Processo aguarda julgamento na Vara Especializada em Ações Coletivas.
Entre em nosso grupo de WhatsApp e receba notícias em tempo real, clique aqui

Comentários no Facebook

Sitevip Internet