Olhar Jurídico

Terça-feira, 09 de agosto de 2022

Notícias | Geral

'melhor cenário'

Maria Helena acredita que Pivetta pode assumir caso Mauro se licencie: “foi a dupla que o povo disse na urna que queria”

24 Jun 2022 - 11:01

Da Redação - Isabela Mercuri / Da Reportagem - Arthur Santos da Silva

Foto: Gcom-MT

Maria Helena Póvoas e Otaviano Pivetta

Maria Helena Póvoas e Otaviano Pivetta

A presidente do Tribunal de Justiça, desembargadora Maria Helena Póvoas, afirmou que não conversou com o governador Mauro Mendes (UNIÃO) sobre a possibilidade de ele se licenciar do cargo. Em seu entendimento, neste caso o vice-governador Otaviano Pivetta (Republicanos) poderia assumir, e este seria o melhor cenário: “Seria interessante porque foi a dupla que o povo disse na urna que queria”.

Leia também:
Incitado por aliados a disputar o Senado, Pivetta é convidado por Mauro a reeditar dobradinha mas não bate o martelo

Os rumores de que Mauro poderia se licenciar do cargo começaram quando se tornou público que a primeira-dama Virginia Mendes passava por um momento delicado de saúde. No último dia 13 de junho ela passou por uma cirurgia para retirada de um tumor no pâncreas, e o governador a acompanhou e ficou uma semana em São Paulo.

Mauro, no entanto, optou por não se licenciar do cargo, e continuo despachando à distância. Ele retornou a Cuiabá no último dia 20, mas Virginia seguiu na capital paulista. Junto com os rumores da licença, também surgiu a dúvida se Pivetta poderia ou não assumir o cargo de governador.

Pela justiça eleitoral, se ele assumisse, não poderia concorrer novamente a outro cargo, como o de Senador. No entanto, há precedentes para que ele possa concorrer ao cargo de vice-governador. “Tenho meu entendimento jurídico de que ele pode assumir o Governo do Estado, ele teria que concorrer ao mesmo cargo, que seria de vice-governador. Parece-me que a equipe jurídica do governo também faz essa leitura. Mas mesmo que não fizer, não me cabe aqui discutir se ele vai ou não assumir”, disse Póvoas na manhã desta sexta-feira (24).

A presidente afirmou que se for convocada é obrigada a assumir por dispositivo constitucional, mas que não lhe cabe discutir a situação. “Não tenho tratado absolutamente nada disso, a única mensagem que enviei foi de solidariedade à dona Virginia Mendes pelo momento que ela passa”.
Entre em nosso grupo de WhatsApp e receba notícias em tempo real, clique aqui

Comentários no Facebook

Sitevip Internet