Olhar Jurídico

Domingo, 26 de junho de 2022

Notícias | Criminal

quem é quem no julgamento

Mensalão: Gurgel terá 5h para enfrentar grupo de advogados

Foto: Reprodução

O advogado e ex-ministro da Justiça Márcio Thomaz Bastos é um dos personagens centrais do julgamento do Mensalão

O advogado e ex-ministro da Justiça Márcio Thomaz Bastos é um dos personagens centrais do julgamento do Mensalão

O julgamento do Mensalão coloca frente a frente o atual Procurador Geral da República, Roberto Gurgel, e alguns dos principais e mais bem pagos advogados do país, que terão a difícil missão de livrar das acusações os 38 réus apontados na Ação Penal 470 que começou a ser julgada ontem (2.8).

Gurgel terá apenas cinco horas para apresentar a acusação, enquanto que a defesa de cada um dos 38 réus contará com uma hora cada um para apresentar seus argumentos. Ou seja, trata-se da batalha de homem e suas cinco horas contra 38 horas de sustentação oral.

Pedro Taques e Valtenir Pereira evitam se manifestar sobre Henry no caso do mensalão

Julgamento do mensalão terá cobertura ao vivo no Olhar Jurídico

Para decidir o caso a partir de setembro entram os onze ministros do Supremo Tribunal Federal (STF), sendo que cinco deles tiveram suas indicações ao Supremo cacifadas pelo ex-ministro da Justiça no governo do ex-presidente Lula, Márcio Thomaz Bastos, que é advogado de José Roberto Salgado, um dos 38 réus do Mensalão.

O julgamento desta quinta-feira começou com a leitura do relatório da Ação Pena 470. Nesta sexta-feira o procurador Roberto Gurgel faz a acusação com base na denúncia de Antônio Fernando de Souza, ex-procurador. Já a partir de segunda-feira (6.8), têm início as sessões para apresentação das defesas.

Entre os profissionais mais renomados da advocacia estão José Luis de Oliveira Lima, que representa nada menos do que o ex-ministro da Casa Civil José Dirceu, apontado como o mentor do esquema.

José Dirceu diz, na internet, que é vítima de farsa e advogado desqualifica parecer da PGR sobre mensalão

Advogado do ex-senador Demóstenes Torres durante a CPI Mista do Caso Cachoeira, Antônio Carlos de Almeida Castro, o Kakay, que já foi presidente da OAB-SP, desta vez, atua na defesa do publicitário Duda Mendonça.

O que liga José Luiz de Oliveira Lima e Kakay é que ambos são parceiros de Márcio Thomaz Bastos. Aliás, enquanto ministro da Justiça no governo do ex-presidente Lula, foi o próprio Thomaz Bastos o responsável pela tese do caixa dois para justificar o Mensalão. A tese tenta tirar do foco da acusação o fato de o Mensalão possa ter servido para comprar apoio político no Congresso Nacional.

O voto do ministro Joaquim Barbosa, responsável por transformar a acusação da Procuradoria Geral da República na Ação Penal 470, pode enfrentar a resistência do ministro revisor, Ricardo Lewandowski, com quem Barbosa rivaliza em idéias desde 2007.

Personagens centrais no STF

Roberto Gurgel - Procurador Geral da República, responsável por apresentar a acusação aos 38 réus na Ação Penal 470. Terá cinco horas para incriminar os acusados.

Márcio Thomaz Bastos - Ex-ministro da Justiça durante o governo do ex-presidente Lula, advogado de um dos 38 réus, respaldou indicações a ministros do Supremo.

José Luiz de Oliveira Lima - Advogado criminalista, foi contratado pelo ministro da Casa Civil José Dirceu.

José Carlos de Almeida Castro (Kakay) - Ex-advogado do senador Demóstenes Torres, atua da defesa do publicitário Duda Mendonça.

Joaquim Barbosa - ministro relator do caso no Supremo, foi o responsável em transformar a acusação da Procuradoria Geral da República na Ação Penal 470.

Ricardo Lewandowski - ministro revisor da Ação Penal. Terá a incumbência de apresentar voto revisor ao relatório feita pelo ministro Joaquim Barbosa.

Atualizada e corrigida em 3/8/2012 às 09h07
Entre em nosso grupo de WhatsApp e receba notícias em tempo real, clique aqui

Comentários no Facebook

Sitevip Internet